Especialistas Uruguaios Defendem a Legalização de todas as Drogas na América Latina

Segundo especialistas Uruguaios que promoveram a Legalização da maconha em seu país, Os países latino-americanos devem discutir a possibilidade de legalizar todas as drogas para abolir o narcotráfico.

“Para fazer uma verdadeira luta contra o narcotráfico, todas as drogas devem ser legalizadas. A realidade mostra que o paradigma da proibição não é eficaz e que é o caminho da hipocrisia”, disse o ex-secretário do Conselho Nacional de Drogas e impulsor da lei sobre a legalização da maconha, Julio Calzada.

O especialista disse que “com esse modelo o narcotráfico não é eliminado. 5% da humanidade continua usando drogas e seus lucros cobrem 2% do PIB (Produto Interno Bruto) em todo o mundo”.  A advogada e membro da organização não governamental Proderechos, María Emilia Pérez, disse que esse debate deveria ser expandido para a região, já que o Uruguai sozinho não podia aplicar uma iniciativa dessas dimensões.

Segundo Calzada, não se trata de criar mercado ou favorecer qualquer tipo de conduta ou comportamento.

Pesquisas mostram que o atual modelo de proibição não funciona e a experiência uruguaia com a regulamentação do mercado de cannabis mostra que esse pode ser um “caminho possível”, afirmou.

A lei uruguaia de regulamentação da maconha de 2013 autoriza o plantio e a colheita de maconha por indivíduos (autocultivadores) e pelo Estado, regulamentada pelo IRCCA (Instito de Regulación y Control Del Cannabis), a serem consumidos para fins recreativos.

Em abril deste ano, o secretário-geral do Conselho Nacional de Drogas do Uruguai, Diego Olivera, admitiu que 50% dos usuários de maconha continuam comprando do mercado ilegal, embora exista um mercado legal e regulamentado de maconha, mas alertou que é de um avanço progressivo e constante.

Regulamentações Diferentes

Pérez e Calzada consideraram que a legalização de todas as drogas deve ser feita dentro de uma certa estrutura: cada substância requer regulamentação específica, pois envolve diferentes tipos de riscos e danos.

“O narcotráfico deve ser visto como um fenômeno regional que tem arestas e conflitos variados que afetam a vida das pessoas, por isso deve ser combatido com uma política abrangente que não apenas aposta na repressão, mas pode diferenciar cada substância e definir  qual é o quadro regulatório específico para cada uma delas “, disse Perez.

Calzada destacou que a regulamentação da maconha é muito específica e considerou que não pode ser aplicada a substâncias como cocaína ou heroína, mas considerou que o exemplo uruguaio pode ser levado em consideração internacionalmente.

Além disso, nem todos os países devem promover essa iniciativa da mesma maneira, ele admitiu. Em sua opinião, o caminho comum a percorrer na região é abandonar o “manto do preconceito”, uma vez que os danos causados ​​pelas drogas corroem os direitos humanos e a saúde pública.

Os mais vulneráveis pagam o preço

Para Pérez, essa é uma questão que a sociedade “claramente não tem equilíbrio” e na qual existem “muitos obstáculos” e interesses conflitantes, o que mostra um “cenário bastante complicado”.

“As experiências na região levam a pensar que é possível avançar nessa direção; podemos eliminar doses significativas de violência se legalizarmos tudo, pois nessa luta quem acaba mais ferido é quem não pode se defender, principalmente as mulheres , pobres e negros nos Estados Unidos e no Brasil “, disse Calzada.

O uruguaio acrescentou que cerca de 40.000 pessoas que desapareceram no México no contexto da guerra ao narcotráfico, pertencem aos setores mais vulneráveis ​​da sociedade.

Os bancos , “que são um dos responsáveis ​​(…) a única coisa que fizeram até agora foi pagar uma multa, mas não existem gerentes ou responsáveis na prisão por lavagem de dinheiro;  no entanto, aqueles que pagaram o custo mais cruel foram das comunidades e as famílias dos setores mais vulneráveis ​​da sociedade”, insistiu.

O último Relatório Mundial sobre Drogas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), afirma que cerca de 275 milhões de pessoas, ou 5,6% da população mundial, usaram drogas em pelo menos em uma ocasião no ano de 2016. A Organização Mundial da Saúde informou que em 2015 cerca de 450.000 pessoas morreram como resultado do uso de drogas, diz o relatório da UNODC.

O tráfico de drogas a nível global é um negócio de 320 bilhões de dólares, o que representa 2% do PIB mundial. A produção de drogas está concentrada nos países em subdesenvolvidos, mas os principais mercados ainda são de alta renda, como Estados Unidos e Europa, acrescenta a UNODC.

Por: Alexandre Lisboa – MLM

Kits Canábicos Madre Juana Headshop

Kits Canábicos Madre Juana Headshop
Kits Canábicos Madre Juana Headshop

Artigos Chronic 420

Bucket Cannabis Dupla Face Chronic
Bucket Cannabis Dupla Face Chronic

Be First to Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *